New Vision: Saia Plissada Metalizada

destaque_lissado_Lame

Plissado_Lame_01

Uma das tendências que mais me encantou nas últimas temporadas internacionais foi, sem dúvida, a saia plissada!

Antiga modelagem dos uniformes de escolas católicas, a peça é símbolo clássico de feminilidade e sofisticação.
Plissado_Lame_02Seguindo a aposta de muitas grifes internacionais, o modelo em versão mídi passa a vez, agora, para os recortes alongados.

O mais interessante é que a tendência, neste caso, explora outras duas esferas, vistas, também, nas passarelas:  os metalizados e os shapes assimétricos.

O resultado é um mix super moderno e traz um novo olhar sobre peças tradicionais que, até então, não fugiam da sua natureza clássica.

Plissado_Lame_05É incrível quando um estilista cria um novo olhar em peças que eram reconhecidas por seu caráter histórico e imutável, oferecendo um novo desejo de consumo.

Essas releituras – primeiro no modelo mídi, e agora no longo – possibilitaram uma maior aceitação (e agregação) do clássico modelo, permitindo, assim, novas combinações!

Plissado_Lame_03A moda tem “brincado” com esses padrões, reinventando-se em novos estilos. Isso, por exemplo, aconteceu com a saia longa plissada metalizada em lamê, que permuta entre looks sofisticados e esportivos sem perder o seu ar fashionista.

Plissado_Lame_04Além das passarelas, ela tem invadido o street style de forma relevante: são mil possibilidades – sem regras e sem medidas – que combinam com vários perfis.

As composições são inúmeras: com sneakers, flats, botas, moletom, tops, camisas, cropped, bomber jackets, tricô… Enfim!

Basta encontrar quais peças abraçam o seu estilo e viver todas as oportunidades que a moda oferece! Eu já encontrei a minha, e mostro por aqui em um próximo post!

Beijos, Alice Ferraz

182 pessoas curtiram este post

Leia também:

My view: Resort Collection 2017

resort_2017_destaque

O calendário de moda há um tempo era formado por duas temporadas tradicionais (o prêt-a-porter e a haute couture).

Com o passar do tempo e as exigências do mercado, as grandes grifes viram a necessidade de adaptar suas coleções, que então ganharam novas versões: primavera/verão, outono/inverno e as chamadas Resort ou Cruise Collection – estas últimas sempre apresentadas entre as estações.

Hoje, darei destaque a 3 coleções que capturaram o meu olhar. Cada uma com seu estilo e personalidade, mas todas com um conceito de moda que vai além de apresentar tendências.

Vamos a elas:

resort_2017_01

Depois da histórica conciliação política entre Barack Obama e Raúl Castro, em abril de 2015, Cuba nunca esteve tão em evidência – chamando a atenção, também, da cena fashion, principalmente aos olhos de renomados estilistas frente às grifes internacionais. Foi o caso de DVF, em 2016, e Chanel, com seu último desfile – tão comentado – em Havana.

Agora, foi a vez da Valentino, sob olhar de Maria Grazia Chiuri e Pierpaolo Piccioli, mostrar a força da cultura cubana em sua coleção Resort 2017.

A coleção fez uma verdadeira viagem metafórica, resgatando diferentes “memórias” do país, resultando em cores densas, estampados, bordados e plissados.

As modelagens ganharam silhuetas bem marcadas (lembrando muito o recorte dos anos 50) e a borboleta branca, flor considerada um dos símbolos da nação, ganhou versões coloridas em saias e vestidos mídi, misturadas com casacos em animal print e suéteres ombro a ombro listrados.

resort_2017_02

A clássica camisa guayabera ganha diferentes versões, ora com minuciosos detalhes em bordados de borboletas, ora como modelagem para servir como base de delicados vestidos de renda.

resort_2017_03

A clássica assinatura da maison de trazer peças que respiram leveza e suavidade revisita a coleção com outro olhar, agora acompanhadas por cores densas e maxi bordados de mariposas em saias fluidas.

resort_2017_04

O vermelho aparece poderoso, imprimindo a fortaleza feminina, sem perder o romantismo e a pegada vintage da grife. O trabalho handmade de rendas e estampas florais com outros materiais fluidos, que lembram muito o chiffon e o tule, ganham vez em shapes contínuos e estruturados.

No mínimo, encantador!

resort_2017_09

Sob comando como diretor criativo da marca há uma temporada, Simon Holloway trouxe sutileza à coleção de Agnona.

À primeira vista, quando se vê as peças desse novo trabalho da grife, imediatamente, pensa-se em delicadeza, fluidez, simplicidade e leveza.

resort_2017_10

Mas, o resultado foi reflexo do aguçado e articulado olhar do novo estilista da grife, com seu alto grau de conhecimento na indústria têxtil, escolhendo “a dedo” os melhores tecidos para compor esse efeito soft da coleção.

resort_2017_11

A cartela de cores neutras, com destaque para o bege, que ganhou incontáveis versões em seda, algodão de lã e chiffons de alto padrão.

resort_2017_05

 

Outra grife que merece uma salva de palmas por seu trabalho impecável e ultra feminino é Carolina Herrera.

O ano é de comemoração (em 2016, a maison celebra 35 anos de fundação), e parece que foi o ponto de partida inspiracional para que a estilista venezuelana retornasse à clássica assinatura da marca: peças ultra elegantes, sofisticadas e atemporais, aliadas à tecnologia de ponta.

resort_2017_06

O resultado foram peças maravilhosas, com refresh jovem, num perfeito jogo de cores e listras, que ganharam vez em vestidos com maxi fendas, croppeds e conjuntinhos acinturados.

resort_2017_07

resort_2017_08

Modelagens construídas, peplum, estampas florais, plissados, chokers, shorts de cintura alta e pantalonas também fizeram parte da coleção.

Um trabalho que refinou a essência da maison, conhecida por sua luxuosa originalidade e rigoroso dress code.

Aqui, a palavra de ordem é elegância!

As coleções Resort tem o objetivo de tornar a experiência de compra muito mais rápida e prática, não tendo a necessidade de apresentar suas peças em mega shows. O resultado é único: see now, buy now!

Vale a pena ficar atento a essa nova visão de moda no fashion business.

Beijos, Alice

195 pessoas curtiram este post

Leia também:

KATE AND I

Destaque_Alice_Kate

O que eu e a princesa Kate Middleton temos em comum?

A princípio, o gosto pelo azul e transparências!

Devemos ter bem mais (kkkk), mas o que se nota é isso!

montagem_Alice_Kate_01

Quando  vi essa foto dela,  não acreditei! Claro que as modelagens são bem diferentes, mas o tom é idêntico, sem contar na semelhança dos detalhes em transparências!

Nos dois casos, valorizamos a região do colo e dos braços.

Eu, em um estilo mais lady like sofisticado com um toque pessoal. A sobreposição com o top e a amarração na cintura tiraram um pouco o efeito sensual – e às vezes “careta” – que a camisa transparente traz. O veludo molhado (super tendência do momento) finaliza o look com informação de moda na medida certa!

Como já disse em outro post aqui, o tecido veludo da minha saia é da marca brasileira Texprima, com design exclusivo da Trinitá Couture.

Acho super importante ressaltar o tipo de tecido e a  modelagem dos looks – hábito de quem trabalha com moda e sabe que os tecidos são fundamentais para garantir a qualidade da  cor, do caimento e a durabilidade da peça.

Kate , em um look com uma essência mais vitoriana, que é a cara da realeza britânica! A transparência em poá disfarçou com muita sofisticação o decote profundo do vestido.

O tom de azul conhecido no Brasil como azul Bic é conhecido internacionalmente como Yves Klein Blue.

montagem_Alice_Kate_02

A tonalidade forte foi desenvolvida pelo artista Yves Klein juntamente com Édouard Adam, um fornecedor de tintas francês que possuía uma loja em Montparnasse, em Paris, no final dos anos 50.

montagem_Alice_Kate_03

O artista desenvolveu o tom profundo e registrou com o seu nome, eternizando a cor no cultura de arte do século XX. Lindo!

Bom, muitas décadas depois, o tom é tão atual e moderno e continua encantando o mundo da moda com sua originalidade e poder.

E, assim como eu, Kate Middleton já se mostrou super fã da tonalidade em seus vestidos.

 

Beijos, Alice

183 pessoas curtiram este post

Leia também: