Peça-chave: Casaco Chevron

alice_casaco-chevron_01Ele pode ser chamado de “espinha de peixe” ou “zig-zag”, mas o nome oficial deste motivo é Chevron. O desenho gráfico pode ser uma estampa, bordado, textura ou efeito criado com recortes. Neste último inverno no hemisfério norte, as fashionistas aproveitaram as temperaturas geladas para vestir em casacos de pelo. E eu não fiquei de fora (risos). Escolhi um casaco com ar 70’s, da estilista Cris Capoani, para compor meu look noturno. A combinação do terroso com branco e preto é super atual (como vocês vêm acompanhando aqui no blog) e é democrática. Apostei também na cropped flare de couro preta e na dupla scarpin rosa + bolsa com listras para deixar o visual ainda mais feminino.

alice_casaco-chevron_02Nas ruas, as it-girls e celebridades mostram outras formas incríveis de usar. A italiana Candela Novembre mostrou um jeito muito jovem e descolado para vestir durante o dia. Ela foi de vestido branco esvoaçante com fenda com casaco pesado (repare no relevo do chevron). Já Kris Jenner foi de powerwoman! O maxicoat sobrepôs um justíssimo vestido da Balmain de mesma tonalidade (mas com um pouco mais de brilho). Para acompanhar, a meia calça e botas de cano curto. Sua filha, Kourtney Kardashian, seguiu uma estampa mais artsy, que parece ter sido pincelada no pelo. Muito chique!

E com jeans? Fica ótimo! Você pode usar por cima de um tricô preto e com um jeans branco. A minha querida Camila Coelho apostou em uma combinação de zig-zag azul-marinho, branco e terroso, da Cris Capoani, como peça-chave do look com jeans + bota (e a clutch linda da primeira coleção da Dior por Maria Grazia Chiuri). Cool!

alice_casaco-chevron_03O recém apresentado desfile de Marc Jacobs também trouxe sua versão, mas com inspiração no universo do hip-hop americano. Dois truques de styling para roubar dele. Quando não estiver tão frio, vale brinca com o equilíbrio de peças e materiais. Como ponto de brilho, a minissaia de paetês dourados é o item certo para levar o look para noite. Na passarela de Simonetta Ravizza uma proposta minimalista. Camisa branca com aplicação de babados e calça cropped sequinha de alfaiataria dão um bom match com o p&b do chevron.

alice_casaco-chevron_05Pronta para usar casacos de chevron até cansar no próximo inverno? A boa notícia é que ele é atemporal e você vai usar por muito tempo.

Beijos, Alice

fhits_newyork_fall2017

1 pessoa curtiu este post.

Leia também:

Hotel The Pierre NY

The-Pierre_01

Acompanhar a maratona de semanas de moda significa que você vai passar um longo período fora de casa. A experiência é incrível, as cidades mudam e você pertence a esta atmosfera que dura, mais ou menos, 8 dias em cada cidade. Depois que acaba, a gente sente saudades, mas já começa a organizar a próxima viagem (claro!).

Admito que preciso de um lugar para me sentir em casa durante este período (que é agitado, hein).  Em relação à hospedagem, sou uma pessoa clássica e admiradora do luxo (do verdadeiro luxo). Gosto do conforto, quartos grandes e um serviço impecável. Aqui em Nova York, fiquei no The Pierre, que pertence à icônica rede Taj. Ele parece um palácio! Inaugurado na década de 1930, o hotel tem arquitetura Art Déco, cerca de 140 quartos e fica em frente ao Central Park. Além da localização ser excepcional em Manhattan e ser próxima ao aeroporto La Guardia, o serviço é tão bom quanto a gente imagina. Os funcionários te chamam pelo nome e alguns deles trabalham lá há 30 anos. São atenciosos e te tratam como se estivesse em casa.

Falando nisso, existe a possibilidade de morar no hotel sim. E, acredite, entre os moradores já tiveram nomes como Coco Chanel e Yves Saint Laurent. Atualmente, a estilista Tory Burch o escolheu para chamar de “casa” também. “Morar em hotéis” é muito comum entre os profissionais de moda.

The-Pierre_02 The-Pierre_002

The-Pierre_03Voltando ao meu quarto, vejam a paisagem! “Você está em Nova York, mas, ao mesmo tempo, não está”. É uma contradição de sentimentos, porque tem todo aquele clima cosmopolita em torno de você, mas não é aquela Big Apple estressante, sabe? Sem falar que você pode ver pelos vidros o Central Park e outras partes da cidade. Gostei tanto da vista que publiquei, aqui e no Instagram, meus looks do dia sentada na janela.

Outro ponto que amei (e senti vontade de embrulhar e levar para casa) foi o terraço do meu quarto. Ele é lindo, tem plantas e reforça a ideia de Nova York ser mais acolhedora e romântica.

The-Pierre_04 The-Pierre_05Falar sobre o hotel sem mencionar o restaurante, é difícil, não é? Ainda mais quando se trata do The Rotunda, que foi recentemente redecorado pelo arquiteto Daniel Romualdez. Nas paredes, afrescos por todos os lados, móveis aconchegantes e sofisticados no maior estilo anos 1930. É um cenário dramático e deslumbrante. Dá vontade de ficar horas por lá. No menu, os pratos clássicos nova-iorquinos, como o steak tartar, pretzel para acompanhar e outras opções deliciosas.

The-Pierre_06 The-Pierre_07

// Pura Arte //

The-Pierre_08

The-Pierre_09 The-Pierre_10Alguns momentos deixam saudades nestas viagens de semana de moda. E a minha estadia no The Pierre está na lista e, acredite, o único lado negativo é ter que ir embora. Mas eu voltarei (risos!).

Beijos, Alice

fhits_newyork_fall2017

1 pessoa curtiu este post.

Leia também:

Destaques das passarelas na NYFW

melhor-de-nyfw_01Um boost de sofisticação (nas suas mais diversas formas) nos últimos desfiles da NYFW. Afinal, a cidade é conhecida por reunir criadores que miram em uma mulher cosmopolita e admiradora de grandes clássicos da moda. Por aqui, não faltam exemplos. Principalmente vindo das marcas emblemáticas norte-americanas.

A sempre elegante Ralph Lauren levou para a passarela o que mais sabe fazer melhor. Alfaiataria e camisaria com tecidos nobres e de caimento flawless (termo em inglês que está em alta por aqui e significa “perfeito”), shapes que alongam a silhueta, combinação de sobreposições de texturas, em tonalidades claras, como o off white, nude e branco. O toque de contraste vem com os acessórios, bolsas e sandálias de animal print, entre pythons e onça.

melhor-de-nyfw_02

Michael Kors investiu em um sensual inerente, mas nada clichê. Tinha couro, pelo, decotes e fendas, mas tudo em equilíbrio. Os comprimentos mídi encontravam camisas com os botões abertos quase até o cós das saias, por exemplo. Já os vestidos ganhavam abertura na parte inferior, mas tinham decote fechado. Os casacos longos não tinham mangas, mas tinham luvas. Entre padronagens, como poá, xadrez Príncipe de Gales e animal print, a cartela composta por preto, cinza, terrosos, verde militar branco e off-white, com algumas aparições de prata e dourado.

melhor-de-nyfw_03

Para Marc Jacobs, a sua principal inspiração foi o documentário “Hip Hop Evolution”. O resultado desta influência retrô foi muito veludo cotelê (um tipo de veludo canelado) em casacos que mesclavam gola de lã em cores contrastantes, calças pantalonas acompanhadas de botas com plataformas, jaquetas de pele sobrepondo bomber jackets. E, para os acessórios, o destaque ficou para o chapéu com cúpula altíssima e os colares com vibe bling ring.

melhor-de-nyfw_04

O Bohemian chic de Tory Burch veio para esta coleção com uma série de desejos. Logo nos primeiros looks, a estilista apostou nos chiquérrimos all white em maxicoats de cortes retos e calças tailoring, saias mídi com pregas, bomber jackets e casacos cobertos por pelos.

Último dia de semana de moda nova-iorquina, mas logo mais tem Londres! Can’t wait!

Beijos, Alice

fhits_newyork_fall2017

1 pessoa curtiu este post.

Leia também: